As relações clandestinas do Laboratório Fort Detrick com a guerra biológica e química

As relações clandestinas do Laboratório Fort Detrick com a guerra biológica e química

Porto Velho, RO - Rádio Internacional da China - A Chancelaria chinesa mencionou recentemente três relatórios que envolvem a Unidade 731, divisão secreta de pesquisa e desenvolvimento de guerra biológica e química do Exército Japonês durante a Segunda Guerra Mundial. Na capa foram impressas as palavras “Laboratório de Guerra Biológica da Base Fort Detrick, Maryland”. Obviamente existem relações clandestinas entre a notória Unidade 731 e o Laboratório de Guerra Biológica Fort Detrick. Numerosas reportagens, artigos e documentários estão levantando o véu desta história.

De 2017 a 2018, a TV NHK do Japão transmitiu dois documentários, expondo o escândalo da Unidade 731 na realização de experimentos humanos secretos e no desenvolvimento de armas biológicas na China e, pela primeira vez, lançou uma gravação de confissão de 20 horas de membros da Unidade 731. 

O que é surpreendente é que esses crimes hediondos foram "selados" após o fim da Segunda Guerra Mundial, e os culpados que conduziram esses crimes não foram punidos como mereciam. 

A mídia americana apontou que parte do motivo foi uma transação secreta realizada entre os Estados Unidos e o Japão após a guerra. Em troca dos dados de pesquisa da Unidade 731, o Exército dos EUA concedeu ao chefe da Unidade 731 imunidade de processo por crimes de guerra. 

Depois de assumir o controle do obscuro material criminoso da Unidade 731, os Estados Unidos iniciaram um grande número de pesquisas de armas biológicas.

Segundo a imprensa americana, por muitos anos, a Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) manteve agentes biológicos ofensivos no Laboratório Fort Detrick para emergências. 

De acordo com dados dos Arquivos Nacionais dos EUA, de 1946 a 1949, cerca de 60 entrevistas e estudos relacionados à Unidade 731 foram conduzidos em Fort Detrick. 

De julho a agosto de 2019, Fort Detrick relatou dois vazamentos. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) interrompeu os projetos de pesquisa do laboratório após inspeções e avaliações no local. Mas logo após o fechamento, o Laboratório Fort Detrick "ressuscitou". 

Desde o começo da pandemia, alguns políticos americanos espalharam rumores repetidamente sem falar sobre o Laboratório Fort Detrick. 

Após a Segunda Guerra Mundial, os EUA encobriram os crimes hediondos cometidos pela Unidade 731. Por décadas, os EUA ainda estão jogando o mesmo jogo, disfarçando seus 200 laboratórios biológicos ao redor do mundo.