Corpo do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns é sepultado na Sé, em SP

Corpo do cardeal Dom Paulo Evaristo Arns é sepultado na Sé, em SP

O corpo de Dom Paulo Evaristo Arns foi sepultado na tarde desta sexta-feira (16) na cripta da Catedral da Sé, no Centro da capital paulista. O arcebispo emérito de São Paulo morreu na quarta (14) em decorrência de uma broncopneumonia, aos 95 anos. O cardeal se destacou na luta pelos direitos humanos durante a ditadura militar.

GALERIA DE FOTOS: Veja a trajetória de D. Paulo Evaristo Arns

TRAJETÓRIA: Dom Paulo lutou contra a ditadura militar

REPERCUSSÃO: Corinthians, religiosos e personalidades lamentam morte de D. Paulo

Cem pessoas participaram da cerimônia na cripta do templo, incluindo franciscanas da Ação Pastoral, autoridades, parentes de Dom Paulo, além de padres e cardeais. Os fiéis puderam acompanhar o sepultamento por telões instalados na Praça da Sé.

O corpo de Dom Paulo foi levado para a cripta após a celebração da última missa do velório, celebrada pelo arcebispo Dom Odilo Scherer. Nas 36 horas em que o corpo do cardeal foi velado, na Catedral da Sé, foram realizadas missas a cada duas horas.

Durante a missa, foi lido o testamento do cardeal, no qual ele afirmou que os bens dele ficarão com a Casa São Paulo porque a instituição "acolhe padres doentes e idosos".

Otília, Zélia e Felipe Arns, irmãos do cardeal, foram nesta sexta-feira à igreja e ficaram ao lado do corpo nos momentos finais do velório. “O amor dele pelo próximo sempre foi muito grande”, disse Otília.

Sobrinho de Dom Paulo, Clovis Arns Nunes disse que o cardeal deixou duas mensagens. "Primeiro [mensagem] de esperança. Nas mensagens de Natal e Ano Novo, ele mandava um cartão escrito pelo próprio punho, com a letra um pouco tremida, que dizia. 'A esperança é como uma criança que mesmo pequena é o maior dom'. A segunda mensagem dele é de coragem, coragem pra enfrentar a ditadura e fazer a ação pastoral", disse o sobrinho.

Entre as autoridades presentes estiveram o governador Geraldo Alckmin, o prefeito Fernando Haddad, o prefeito eleito João Doria e o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. Alckmin, Haddad e Doria entraram na cripta após na hora do sepultamento.

Nesta quinta-feira, estiveram no velório o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, parentes do cardeal, amigos, além de fiéis que lotaram o templo.

Comente esta Notícia