Eleitora de 69 anos fica sem votar por falta de acessibilidade: "Mandaram justificar"

Eleitora de 69 anos fica sem votar por falta de acessibilidade:

A eleitora aposentada Magali Terezinha Sferra Buzzo, de 69 anos, ficou sem votar para as eleições presidenciais neste domingo (7) por falta de acessibilidade. Ela elege seus representantes políticos a vida toda na E.E. Heitor Penteado, em Americana (SP).

A aposentada afirma que, até a última eleição, sua seção ficava no piso térreo do prédio da escola. "Cheguei lá e, para minha surpresa, mudaram de lugar. Agora tem três lances de escada", conta.

"Eu fraturei o músculo da perna e não tenho condições de subir escada. Não vou estragar meu tratamento", contesta a eleitora.

Magali relata que chegou a esperar por uma solução no local, mas ninguém ofereceu outra alternativa. "Tentei tudo o que podia. Fui até o Cartório e disseram que tenho que justificar o voto, que não podem fazer nada. Mandaram eu mudar de escola, para uma que tenha elevador e eu possa votar".

 

"Minha mãe tinha 90 anos e ia votar, eu tenho mais muitos anos pela frente e simplesmente fui impedida. Quero exercer meu direito", afirma.

158ª Zona Eleitoral

O Cartório da 158ª Zona Eleitoral explicou que a mudança de sala da seção na qual Magali vota foi feita pela própria escola. Segundo ele, todos os locais de votação devem oferecer uma seção especial, para atender às necessidades daqueles que possuem alguma restrição de mobilidade.

Magali não estava inscrita para votar em uma seção especial, informou o Cartório. O subchefe Renato Barthmann explica que os eleitores têm até 150 dias antes da votação para requererem transferência para um local com acessibilidade. "Agora, ela tem até 60 dias após as eleições para justificar e hoje não poderá exercer direito ao voto".

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) também ressaltou a necessidade de a eleitora ter feito a solicitação de mudança para uma seção especial, até 150 dias antes da votação.