Em Linhas Gerais - Por Gessi Taborda

FILOSOFANDO

“Viva cada dia como se a vida estivesse começando.” JOHANN GOETHE (1749/1832), poeta, estadista, dramaturgo, filósofo e diplomata alemão. Autor do drama trágico “Fausto”, clássico da literatura germânica.

INDIGNAÇÃO

É claro que a população rondoniense está, em sua maioria, indignada com a classe política do estado. O resultado eleitoral de outubro é uma clara demonstração disso. Mas ainda existem nichos de incompreensível tolerância do povo com a corrupção. Exemplos claros disso: Vilhena, transformada na capital da vergonha rondoniense com a maioria de suas autoridades presas (sem contar os foragidos); e com o prolongado domínio de um clã na alça de mira do judiciário. E não é só a cidade do cone sul.

LIDERANÇA

Há o caso emblemático de Guajará Mirim, vítima de sucessivas más gestões que terá de viver uma nova eleição, após ter escolhido nas urnas um candidato inelegível.

Talvez por essa inexplicável leniência os rondonienses não foram às ruas (em massa) demonstrar sua indignação contra seus maus políticos no último domingo. Ou, quem sabe, faltou liderança mais qualificada nos movimentos de organização dos protestos.

Isso tudo acontecendo e nossos deputados estaduais preocupados em distribuir medalhas, voto de louvor e outras láureas às carradas, sem nenhuma relevância. Prova incontestável da falta de liderança, do desinteresse em interpretar o sentimento das ruas em Rondônia.

ESPORTISTA

O deputado Saulo Moreira, de Ariquemes, está apostando forte no segmento esportivo para renovar seu mandato em 2018 ou (quem sabe) dar um vôo mais alto, rumo a Brasília. O parlamentar é o patrocinador da 1ª Copa Torcedor Master. E através desse patrocínio o deputado inventor da “Renascer” – entidade meio que religiosa de Ariquemes – introduz seu filho Saulo Júnior na herança de sua grande votação na região ariquemense.

SEM SENTIDO

Ildon Chaves, o novo prefeito, tem todo direito de compor sua equipe para iniciar a nova gestão do jeito que bem entender. Afinal, se errar será devidamente criticado. Se acertar colherá os louros merecidos.

Mas não há o menor sentido em colocar nos cargos chaves (os mais importantes) nomes que só vieram a apoiá-lo no segundo turno, quando era clara sua condição de candidato marcado para vencer.

PRUDÊNCIA

Ildon tem um papel hercúleo pela frente: modificar a triste e decadente realidade de Porto Velho. Não deveria adotar escolhas capazes de alienar e dificultar aos verdadeiros companheiros (da 1ª hora) a aproximação de seu gabinete. Um bom político precisa manter satisfeitos os companheiros de trincheira. Isso é questão primeiramente de prudência quando se quer alcançar o êxito.

MÁSCARA

Faltam (graças da Deus!) 26 dias para Porto Velho ficar livre da turma do quibe e (quem sabe) iniciar a reconstrução da capital mais desamada e abandonada do Brasil. Mauro Nazif já vai tarde. Passou quatro anos comandando a prefeitura e não deixará nenhum legado merecedor de registro.

E agora, nos últimos dias dessa tragédia apelidada de “gestão”, alguns áulicos tentam mascarar o fracasso da turma do quibe.

IMPERDÍVEL

Deve ser esse o objetivo do convite distribuído pela fábrica de factoides da prefeitura no dia de ontem. Segundo o tal convite a Comissão Municipal de Educação (CME) patrocinará uma Cantata de Natal no próximo dia 10, às 19 horas, na sede da instituição, na Ladeira Comendador Centeno, no prédio onde funcionou antigamente a Câmara Municipal. É um evento imperdível. Na pobreza desse natal sob o jugo da turma do quibe, o evento deve atrair a população desiludida com os políticos. E todos estarão rezando para que Nazif não comparecer por lá.

MEMÓRIA

Informe da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia anuncia para amanhã, às 19 horas, no salão de convenções da entidade, o lançamento do Prêmio Fiero Paulo Queiroz de Jornalismo. Ainda não se sabe se os laureados serão escolhidos por uma comissão instituída pela Fiero ou se dependerá da inscrição de matérias na entidade. Se essa praxe for adotada, certamente os nomes mais representativos do jornalismo político poderão estar fora da premiação.

RACHA

Ontem foi possível ouvir de uma fonte com bom trânsito palaciano uma informação de cocheira: os ânimos entre o governador e vice estão numa fase de acirramento. Motivos são os horizontes cheios de incertezas para 2018. Desdobramentos dessa “guerra política” são esperados com mais veemência após o recesso político iniciado pelo parlamento logo após a votação do Orçamento de 2017.

PARTICIPATIVO

Ainda não se sabe até que ponto o engenheiro Edgard Tonial (do Boi) participará na gestão de Ildon Chaves, o novo prefeito de Porto Velho. O vice-prefeito, segundo fontes credíveis, não será apenas um adorno, como se tornou no governo de Nazif o escondido Dalton di Franco. O vice-prefeito Edgar do Boi deve assumir uma pasta importante na coordenação política da administração tucana.

Comente esta Notícia