Ex-modelo amiga de Madona e capa da Vogue dorme há três meses nas ruas de Barcelona

Ex-modelo amiga de Madona e capa da Vogue dorme há três meses nas ruas de Barcelona

Nastasia chegou a assinar contratos no valor de um milhão de dólares por 20 dias de trabalho e foi capa da Vogue (Foto: CDigests/Twitter)

Porto Velho, RO - Deu cara a várias marcas e capas de revistas, jantou com Andy Warhol e chegou a ser convidada para o casamento de Madonna. Nastasia Urbano teve contratos milionários mas o ex-marido deixou-a sem nada.

Já passaram três meses desde que  dormiu, pela primeira vez, junto a uma caixa de multibanco, numa rua de Barcelona. “Caminhei durante todo o dia sem conseguir pensar com clareza. Um grito de desespero ecoava na minha cabeça. Um grito de socorro, de ajuda“, recordou a ex-modelo ao El País. O cão Jack e as roupas que tem vestidas — o casaco foi “o amigo Toni” que lhe deixou– é tudo o que lhe resta. Nastasia, que chegou a assinar contratos no valor de um milhão de dólares (cerca de 880 mil euros) por 20 dias de trabalho, tem agora 57 anos e vive nas ruas de Barcelona.

Foi lá que conheceu o agora ex-marido — o “fim de tudo” — numa das vezes que voltou àquela cidade espanhola para visitar os pais. “No dia depois de o conhecer, ele queria que lhe comprasse um BMW e eu, feita idiota, passei-lhe um cheque“, contou Nastasia Urbano ao El Periódico, o jornal que a encontrou a dormir na rua, na semana passada.

Eu estava apaixonada. Se não confiares na pessoa que amas, em quem confias? Mas ele não. Ele não me amava”, desabafou Nastasia ao mesmo jornal.

A ex-modelo recorda que, desde aí, passou a financiar os projetos fracassados do marido “de forma cega”, conta ao El País. Esteve sete anos casada. “A partir do ano 2000, comecei a trabalhar de forma temporária a cuidar de pessoas, crianças, mas não ganhava o suficiente”, recorda Nastasia Urbano.

Diz que “a única coisa boa desse relacionamento” foram os seus filhos — que Nastasia quer que tenham orgulho da mãe. “Quero que eles vivam a vida sem preocupações, que não sofram mais por mim. Mas têm um pai que não é nada e uma mãe que mora na rua“, diz ainda, acrescentando que os filhos “fazem tudo o que podem” por ela.

O seu nome, Nastasia Urbano, foi ela mesma que o inventou, quando a agência de modelos com quem tinha um contrato a obrigou a escolher um novo nome. Deu cara a várias marcas de roupa e perfumes, foi capa de várias revistas, incluindo a Vogue, jantou com Andy Warhol, foi a festas com Melanie Griffith e chegou a ser convidada para o casamento de Madonna com Sean Penn. “Eu tinha tudo. Estava a viver como uma rainha.

Nastasia quer “viver” e não “sobreviver”. “Estou cansada de sobreviver e pedir dinheiro”, conta a ex-modelo. “Se tivesse de pagar um apartamento, não teria o que comer, não poderia pagar eletricidade ou não poderia pagar a água. Teria de ir a uma fonte para a ter”, explica. É o amigo Toni, “um anjo”, que a deixa dormir no sofá de sua casa, de vez em quando. “Mas não posso ficar ali. É sempre temporariamente”, lamenta.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores.

Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.