Mulher esfaqueada pelo ex recebe alta e grava vídeo agradecendo torcida pela saúde dela

Mulher esfaqueada pelo ex recebe alta e grava vídeo agradecendo torcida pela saúde dela

Segundo Polícia Civil, vítima levou cinco golpes na frente dos filhos do casal; vídeo mostra mulher ensanguentada sendo socorrida por terceiros. Ex-marido alegou, em depoimento, que agiu por ciúmes.

A dona de casa Milena Aparecida de Oliveira Silva, de 20 anos, recebeu alta hospitalar nesta terça-feira (20), cinco dias após ser esfaqueada no meio de uma rua, em São Simão, região sudoeste de Goiás. Ela gravou um vídeo agradecendo às orações e por Deus ter lhe dado uma "nova chance" (veja acima). O ex-marido dela, o pescador Tony Joseph Silva Araújo, de 25, suspeito do crime, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva pela Justiça.

Segundo a Polícia Civil, Milena foi atingida pelo ex-marido com cinco golpes, na frente dos filhos do casal, motivado por ciúmes, alegando que a vítima já teria outro relacionamento.

A polícia informou também que Tony ainda não tem defensor. O advogado José Jorge Marques Ferraz, que o representou na audiência de custódia, disse ao G1 que nominado pela Justiça apenas para aquela ocasião.

O crime foi cometido na última quinta-feira (15). Um vídeo feito por moradores mostra a vítima ensanguentada parando um carro para pedir ajuda (veja abaixo). Ensanguentada, ela foi socorrida por pessoas que passavam pelo local e levada ao hospital. Liberada, ela espera ter uma nova vida.

"Deus me deu uma nova chance, entendeu. Eu peço a Deus, peço obrigado as pessoas que oraram por mim, pediu muito, pela minha vida, pelas vidas das minhas filhas. Graças a Deus eu tomei alta hoje do hospital. Muito obrigado a todos", disse em um vídeo.


Prisão preventiva

No mesmo dia do crime, a juíza plantonista Patrícia Passolini Ghedin determinou a conversão da prisão em flagrante em preventiva. Em seu despacho, ela disse que "que há prova da materialidade do crime de homicídio tentado, bem como indícios suficientes de autoria".

Além disso, destacou que a medida se fazia necessária para manter a "ordem pública".

Por conta do plantão judiciário em virtude do feriado da Proclamação da República, a audiência de custódia só foi realizada na segunda-feira (19), na qual a mesma juíza manteve a decisão anterior.

Tony foi autuado em flagrante por tentativa de feminicídio. Se condenado, pode pegar até 20 anos de prisão.