Obras de drenagem em Porto Velho ganham impulso com fábrica de manilhas do governo

Obras de drenagem em Porto Velho ganham impulso com fábrica de manilhas do governo

Porto Velho, RO  - Com a implantação da Fábrica de Manilhas, o governo de Rondônia consegue acelerar as obras de infraestrutura em Porto Velho, investindo em drenagem urbana e resolvendo um dos grandes problemas enfrentados pelos moradores da capital em períodos de chuvas, que é o acúmulo de água nas vias públicas e nos quintais das casas.

Mão de obra da fábrica é formada por reeducandos

“Foi uma determinação do governador Confúcio Moura que não medíssemos esforços para acelerar as obras de drenagem e pavimentação aproveitando bem a estiagem”, disse o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem, Infraestrutura e Serviços Públicos de Rondônia (DER), Ezequiel Neiva.

Neiva destacou que com a fábrica de manilhas, produzindo cerca de 40 unidades por dia, o governo consegue atender à demanda da capital e até de outros municípios, como Ariquemes, Buritis e o distrito de União Bandeirantes, pertencente à capital.

Em Porto Velho, as manilhas produzidas atualmente estão sendo usadas na obra de drenagem do bairro Uirapuru, na zona Sul.  De acordo com dados da Coordenadoria de Ações Urbanísticas, só para a drenagem deste bairro foram destinadas aproximadamente 3.200 manilhas.

No município de Ariquemes, as manilhas foram usadas nas obras de infraestrutura do entorno do Parque Açaí, inaugurado pelo governo em abril do ano passado, enquanto que nos municípios de Buritis e distrito de União Bandeirantes em outras obras de infraestrutura urbana.

Além das manilhas, a fábrica está produzindo bloquetes, meio-fio, e blocos estruturais (usados para fazer caixas de drenagem) para onde são direcionadas as águas.

A mão e obra da Fábrica de Manilhas é formada por reeducandos, fruto de uma parceria entre o DER e a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), com o projeto de ressocialização de apenados. Eles trabalham de segunda a sexta-feira, 8 horas por dia, recebem um salário mínimo e a cada três dias trabalhados, têm reduzido um dia da pena.

O governo já está construindo nas instalações da fábrica um galpão novo que irá funcionar só para atender à produção de manilhas e no antigo serão produzidos os bloquetes e tampas de esgoto, aumentando a produção para atender à demanda de obras de infraestrutura no ano de 2017.

Comente esta Notícia