Prefeitura não consegue depositar R$ 2 mil reais para show de Naiara Azevedo e apresentação quase é cancelada

Prefeitura não consegue depositar R$ 2 mil reais para show de Naiara Azevedo e apresentação quase é cancelada

UM SHOW MUITO COMPLICADO

Continua a confusão sobre o show de final de ano da cantora Naiara Azevedo, que cantará para certamente um grande público na virada para 2018. Depois de manter o cartaz em que anuncia que se apresentará em “Porto Velho, Roraima”, a cantora sertaneja quase não vem mais. O dinheiro do pagamento do seu show, que deveria ter sido depositado pelo Ministério da Cultura até a última sexta-feira, não o foi.

Ficou retido por alguma ordem superior, pelas bandas de Brasília e, como não tinha sido depositado conforme o combinado, sem a  grana o show estaria cancelado. Assessores do prefeito Hildon Chaves conseguiram apoio de empresas (como a Santo Antônio Energia), para cobrir o valor, empenhado pela União, mas não pago.

Depois de passada a tempestade, quem está furiosa é a deputada Mariana Carvalho. Foi ela a responsável por conseguir a verba do Ministério da Cultura, com uma contrapartida de apenas 2 mil reais da Prefeitura de Porto Velho. Portanto, se o show não acontecesse, no colo de quem explodiria o petardo? Dizem que Mariana vai exigir muitas explicações sobre a tentativa de boicote ao show da virada. A música é muito ruim, mas o povão adora Naiara Azevedo. Ainda bem que ela virá, mesmo depois de tantos rolos...

CONFÚCIO SE ESBALDA NA MÍDIA NACIONAL, DANDO SÓ  BOAS NOTÍCIAS SOBRE RONDÔNIA

O governador Confúcio Moura andou, nessa quinta, ocupando importantes espaços na mídia nacional. Gravou entrevistas para a UOL, para a TV Veja e para o Canal Rural, entre outros importantes veículos de comunicação do Estado. Há inclusive conversas de bastidores de que ele seria um dos próximos entrevistados das Páginas Amarelas da Veja, publicação que, mesmo com a diminuição dos veículos impressos e sua importância em nível nacional, ainda ocupa um grande destaque no contexto do principal sistema de comunicações do país.

Confúcio tem usado esses espaços não só para faturar politicamente, ao explicar como Rondônia conseguiu se tornar um dos poucos Estados a terem suas contas rigorosamente em dia, enquanto a grande maioria anda às portas do desespero. Ele também tem “vendido” a imagem da sua terra, falando nos grandes avanços do nosso agronegócio, da fartura de energia e da grande produção que temos, que poderia ser industrializada aqui mesmo.

O Governador tem relatado, em detalhes, todas as medidas que tomou, já em meados do primeiro mandato, intensificando as ações desde o início do segundo mandato, para enxugar a folha de pagamento; para economizar em praticamente todas as áreas; em praticamente acabar com o uso da frota de veículos do Estado, a não ser sob rígido controle; como extinguiu mais de três mil cargos comissionados e como, mesmo sem dar aumentos ao funcionalismo, não enfrentou nem uma só grande greve em seus mandatos.

Rondônia tem sido citada na mídia nacional, seguidamente, como exemplo de boa gestão para o país. Ao contrário de Rio, Minas, Rio Grande do Sul e a maioria dos estados maiores, quebrados praticamente, por aqui se respira salários e pagamentos de fornecedores em dia e se fala em crescimento, não em crise.

Mesmo sendo um pequeno Estado, periférico, sem os constantes olhares da imprensa nacional (a não ser para falar sobre escândalos, quando eles ocorrem e, aliás, tem ocorrido cada vez menos!), estamos sendo observados como exemplo positivo para o restante do país.

Crescemos a uma média de 3 pontos do PIB (ao contrário do PIB nacional, que ficará pouco acima do zero); nosso agronegócio explode em sua expansão; temos hoje o sexto rebanho bovino do país, com 14 milhões de cabeças; exportamos para 40 países nossa carne, considerada de excepcional qualidade e estamos indo em frente, com uma economia sólida. Confúcio se esbalda em boas notícias sobre seu Estado, quando fala à mídia nacional. Só  não fala abertamente é se será mesmo candidato ao Senado em 2018. Será!

POLÍCIA RESPONDE A TESTONI

Depois do protesto e das duras críticas do ex deputado, ex prefeito e empresário de Ouro Preto, Alex Testoni, contra ações policiais que o envolveram em várias denúncias, alegando que está sofrendo pesada perseguição política, o comando da Polícia Civil do Estado emitiu nota, defendendo as ações dos delegados que comandaram a operação.

A nota oficial assinada pelo Delegado Geral Eliseu Muller de Siqueira, embora não cite Testoni nominalmente, é, sem dúvida, uma resposta ao vídeo que o empresário postou, inclusive entre lágrimas, se dizendo vítima de uma grande orquestração para obrigá-lo, inclusive, a sair de Ouro Preto do Oeste, segundo suas próprias palavras.

O vídeo, aliás, bombou nas redes sociais e seu resumo foi publicado aqui mesmo, dias atrás. Nele, o ex prefeito se defende das acusações e diz que uma delas, inclusive, nada tem a ver com ele, já que teria ocorrido depois que ele já teria deixado a Prefeitura. No final, emocionado, Testoni chorou e disse que há pesada perseguição contra ela.

“BASE EM PROVAS ROBUSTAS”

Na nota, o delegado Eliseu escreveu que “ a Delegacia-Geral da Polícia Civil do Estado de Rondônia manifesta sua irrestrita confiança na atuação dos Delegados e Policiais Civis envolvidos na operação “Erga Omnes”, ocorrida na cidade de Ouro Preto do Oeste. Trata-se de profissionais de grande preparo e reconhecidamente competentes”.

Mais adianta, prossegue: “as investigações estão sendo acompanhadas desde o início pelo Ministério Público do Estado e contam com parecer favorável do órgão, assim como, as medidas judiciais foram decretadas pelo juiz competente com base em robustas provas, que foram juntadas aos autos. Salienta-se ainda que as medidas não seriam sequer decretadas sem o crivo criterioso do Poder Judiciário”.

O assunto está em segredo de Justiça, por isso não pode ter maiores comentários, segundo o chefe de polícia do Estado. No final, Eliseu ataca, dizendo que “repudia, com veemência, qualquer tentativa de desmoralizar ações policiais ou investigadores, especialmente por parte de investigados”.

OS EXEMPLOS DE JI-PARANÁ

O prefeito Jesualdo Pires, de Ji-Paraná, anda comemorando bastante. Praticamente não há um só dia em que ele e sua equipe de governo não tenham algo a comemorar. Além de ser uma atração especial neste período de festas, com sua iluminação inigualável e com a Casa do Papai Noel que atraem milhares de pessoas, o momento da economia da cidade é baseado em dados superlativos. Novas empresas se instalam, indústrias de peso também, abrem-se, diariamente, novos postos de trabalho.

Esse detalhe, fundamental, é reconhecido pelo Ministério do Trabalho. Dados oficiais apontam que Jipa é a cidade que mais está gerando postos de trabalho no Estado. E dá números: só em novembro passado, foram criados 1.049 novos empregos com carteira assinada. Jesualdo diz que a chegada de muitos novos empreendimentos, atraídos por uma série de vantagens que o município oferece, é o principal responsável pela grande performance da sua cidade, neste contexto. Apenas um shopping, inaugurado semanas atrás, está gerando 600 novos postos de trabalho. “E vem muito mais por aí”, comemora o entusiasmado Prefeito.

SONHOS MILIONÁRIOS

Os bancos não abrem já nesta sexta e só voltarão a funcionar normalmente na próxima quarta-feira. Mas as loterias ainda funcionam até o sábado de manhã. E a maioria delas vai estar lotada, porque o porto velhense, assim como todos os rondonienses e os brasileiros, estão correndo para concorrer ao maior prêmio que uma loteria já pagou neste país: nada menos do que 280 milhões de reais. Isso é algo em torno de 88 milhões de dólares, ou seja, uma fortuna para se gastar não em uma só, mas numas três vidas. Uma curiosidade que se observa é que a maioria dos jogos é de bolões. Tem gente que se assusta com a possibilidade de ganhar sozinha tanto dinheiro.

Num país em que a bandidagem tomou conta e que os criminosos matam cruelmente suas vítimas, às vezes apenas para roubar um chinelo ou 10 reais, imagine-se o risco de quem ficar bilionário, da noite para o dia! Mas, mesmo assim, todos os que apostaram estão sonhando. Ganhar mesmo que uma fatia deste bolo enorme, é resolver de vez todos os problemas financeiros, até por pelo menos os próximos 100 anos...

SEM BONECA, MAS COM DROGAS

Uma pequena notícia, escondida sob o turbilhão de informações sobre crimes, violência e tristezas que abundam a área policial retratada pela mídia, resume bem o que está acontecendo em muitos lares brasileiros. O episódio retratado o foi daqui de Porto Velho, mas poderia ser de qualquer cidade, não importa seu tamanho, em qualquer recanto desse imenso Brasil.

Desesperada, uma mãe acionou a Polícia Militar, pedindo ajuda. Sua filha, uma linda menina de apenas 13 anos, havia fugido de casa pela oitava vez, só nas últimas semanas. Tinha ido “morar” com outro menor, esse de 15 anos e estaria se drogando todos os dias. Estaria se prostituindo. A PM pode fazer o que, exatamente?

Apenas acionar o Conselho Tutelar e entregar o caso adiante. A criança, que inclusive sofreu agressões do namoradinho, segundo denunciou, faz parte das milhões de brasileirinhos e brasileirinhas vivendo o mesmo drama. Sem chance, sem esperança, no mundo da violência e das drogas. É apenas uma menina de 13 anos, que deveria ainda brincar com bonecas, mas já sofre toda a violência e a dureza de uma vida adulta. E uma vida das piores. Lamentável!

UM PRESIDENTE SEM PODER

O presidente da República manda cada vez menos. Desmoralizado, sem apoio político ou popular, Temer vaga pela Presidência qual um zumbi nas noites enluaradas. Só que ele, nem como zumbi assusta. Seu decreto que indultou vários condenados na Operação Lava Jato, foi derrubado como se derruba uma pequena torre de palitos de fósforo, naquelas brincadeiras que faziam as crianças dos tempos passados, no período pré celular, quando criança ainda brincava.

A procuradoria geral da República, dona Raquel Dodge, recorreu ao Supremo, pedindo que boa parte do decreto de Temer fosse suspenso, por ilegal.  A presidente do STF, poder que é quem realmente está mandando no país, arrasou com a decisão presidencial, ao acatar o pedido de cancelar vários pontos do decreto. ““Indulto não é prêmio ao criminoso nem tolerância ao crime.

Nem pode ser ato de benemerência ou complacência com o delito, mas perdão ao que, tendo-o praticado e por ele respondido em parte, pode voltar a reconciliar-se com a ordem jurídica posta”. Um pena que nem os ministros do STF e nem autoridades do Judiciário e do MP e nem a Procuradoria Geral, pensem o mesmo sobre o fim dos benefícios a assassinos cruéis, muitos deles livres, leves e soltos no meio da sociedade. Mas daí, já é outra história...

PERGUNTINHA

Como você vai cozinhar sua ceia de Ano Novo: na churrasqueira; com álcool; no fogão à lenha ou está tão cheio da grana que vai poder comprar uma botija de gás de 13 quilos?