Sinais dos tempos: evolução negativa e positiva

Sinais dos tempos: evolução negativa e positiva

Duas notícias recentes mostram como a evolução de uma sociedade como o Brasil depende e muito do comportamento individual de cada cidadão. Uma delas revela uma evolução negativa: Rondônia confirmou os primeiros casos de sarampo desde 1999. A outra, pelo contrário, é bem positiva: as mortes por acidente automotivo em nossas rodovias federais caiu quase um terço só no primeiro semestre de 2018.

A evolução da sociedade não é um jogo de sorte

O lema da bandeira brasileira parece esquecido, depois de tanta polêmica, de tanta crítica e acima de tudo de tanta desconfiança dos brasileiros em quem os representa. Mas o fato é que para ter desenvolvimento é mesmo preciso que a sociedade, de algum jeito, se organize para perseguir esses objetivos. A ordem e o progresso não cairão do céu como um prêmio conseguido jogando nas loterias online ou no cassino; seremos nós, rondonienses e todos os brasileiros, a decidir grande parte de nosso destino coletivo. Nesse caso aí, a atitude de cada cidadão vai influenciar diretamente o resultado final.

A vacinação é necessária

Arlete Baldez, diretora da Agência de Vigilância em Saúde do Estado, falou que o surto de sarampo é causado pela epidemia que vem da Venezuela e que, auxiliada pelo movimento de refugiados, está se espalhando pelo Norte. Aí, poderíamos falar que foi azar termos um Estado vizinho nessa situação humanitária tão frágil, e cujas primeiras vítimas são seus próprios cidadãos.

Mas aí entra nossa intervenção rápida enquanto sociedade: a manutenção de nossos próprios programas de vacinação. A doença está erradicada mas não podemos deixar de vacinar, para mantermos o efeito de imunidade. Vacinar protege a nós mesmos e a todos que estão à nossa volta.

Parece um tanto desnecessário relembrar isso, mas nos últimos anos, principalmente em países de primeiro mundo (e pior nos Estados Unidos), vem se espalhando uma ideologia anti-vacinas que, pela primeira vez na História e dessa sua invenção, sustenta que a vacina não é necessária e que é mesmo um perigo para a saúde. Não se iluda se vir esse tipo de “fake news” na internet: o perigo para a saúde é não vacinar, e os venezuelanos sabem isso bem.

Porquê a redução nos acidentes rodoviários?

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, citada pelo Globo, a redução no número de mortes nas rodovias federais vem da melhoria no comportamento dos motoristas e no aumento da fiscalização policial – que, por sua vez, vai melhorar o comportamento dos motoristas.

A atitude de quem dirige é mesmo o principal motivo para os acidentes em nossas estradas. Uma condução mais prudente e mais atenta é a chave para salvar vidas. E isso parte de cada um de nós, em cada momento. Decidir adotar uma velocidade de acordo com as condições da rodovia, manter-se sempre totalmente focado na estrada, tudo isso são comportamentos individuais. Não importa se foi por medo do policial, porque viu imagens de acidentes feios, ou porque percebeu que a estrada pode matar mesmo. Importa que tome essa atitude positiva sempre que sentar no volante. Estará preservando a própria vida e a dos outros, e é o Brasil que ganha com isso. Não é sorte, não.