Câmara dos Deputados do México aprova legalização da maconha, abrindo caminho para país se tornar maior mercado legalizado

Câmara dos Deputados do México aprova legalização da maconha, abrindo caminho para país se tornar maior mercado legalizado

Porto Velho, RO - A Câmara dos Deputados do México aprovou ontem (10) a proposta que legaliza a maconha para uso recreativo em âmbito federal. A proposta teve 316 votos favoráveis e 129 contra, e vem quatro meses após o Senado ter aprovado a 'Lei geral para a regularização da cannabis'.

 

Agora, o texto seguirá novamente para aprovação no Senado e à sanção do presidente Andrés Manuel López Obrador, que devem acontecer rapidamente.

 

Há dois anos, a Suprema Corte decidiu que o banimento da substância é inconstitucional. Há 3 anos, o México permitiu o uso medicinal da cannabis.

 

A proposta busca:

 

  • permitir o cultivo para consumo próprio, comunitário e a produção industrial
  • autorizar o porte de até 28 gramas de maconha por pessoa
  • limitar o cultivo caseiro  a no máximo oito plantas
  • proibir o acesso a menores de 18 anos à cannabis
  • proibir o consumo em áreas de trabalho ou escritórios

 

"A regulamentação proibicionista só conseguiu agravar o problema e gerou um aumento do tráfico de drogas e das mortes", disse a deputada Simey Olvera, do partido governista Morena, conforme reportado no G1.

 

No entanto, críticos apontam que o problema da violência dos cartéis não deve ser solucionado tão facilmente, uma vez que os grupos concentram suas operações em drogas como o fentanil e as metanfetaminas.

 

A legalização "é um passo importante para a construção da paz em um país como o nosso, onde, por pelo menos uma década ou mais, estivemos imersos em uma guerra absurda", afirma Lucía Riojas Martínez, uma congressista que defende a legalização da maconha. “Mas este projeto está aquém de alcançar isso”, ressalta ao New York Times.

 

Com a aprovação do uso e cultivo recreativo o México se tornará o maior mercado mundial da maconha legalizada, atrás de Canadá e Uruguai.