Ex-prefeita de Cacoal pega pesado contra Fúria: Em confusão política e orçamentária, assim como o mandato desse rapaz

Ex-prefeita de Cacoal pega pesado contra Fúria: Em confusão política e orçamentária, assim como o mandato desse rapaz

Porto Velho, RO - A ex prefeita Maria Simões concedeu entrevista exclusiva ao site Estado de Rondônia onde esclarece alguns pontos referentes a recente notícia de que o Prefeito Adailton Fúria pretende cancelar o sorteio de candidatos às casinhas do programa Minha Casa Minha Vida.

E.R.- O prefeito Adailton Fúria fez uma live na data de ontem, juntamente com a atual Secretária de Ação Social do Município, Micheli Pavani, onde disseram que o sorteio das casas populares foi realizado sem autorização do Ministério de Desenvolvimento Regional, que é o órgão nacional gestor do Minha Casa Minha Vida. O que a senhora tem   a dizer sobre isso?

MARIA SIMÕES: Fúria mente. Eu me mantive calada até agora mesmo diante de vários episódios em que esse rapaz profere verdadeiros insultos a minha pessoa. Eu não estou na politica, eu não tenho paixão por prefeitura, e mesmo assim ele sempre vai às redes sociais e em vez de falar de seu governo, fica atacando, injustamente as pessoas que estiveram na administração antes dele. Isso vai terminar muito mal, se ele quer um conselho.

Fúria mente descaradamente.  Ele queria muito realizar esse sorteio na sua gestão, mas acontece que fomos nós que trabalhamos incessantemente para concretizar esse projeto que realiza sonhos e supre as necessidades habitacionais do nosso povo.

O Cadastramento de demandas habitacionais no município de Cacoal começou em 9 de março de 2019, mais de um ano antes da portaria 2081 de 30 de julho de 2020. Foi muita labuta para a gente conseguir cadastrar as pessoas e realizar o sorteio.

Não existe nenhuma irregularidade nisso. A própria portaria mencionada pelo prefeito e pela Secretária de Ação Social faz, em seu artigo 2º, ressalva quanto a não aplicação das novas normas para projetos cujo cadastramento já estivesse em andamento. Esse era o nosso caso e nós, como estávamos sob a regência de portaria anterior, não estávamos obrigados a pedir autorização do ministério para fazer o sorteio.

A Michele Pavani não tá é sabendo interpretar a portaria e devia deixar essas conclusões para os procuradores da prefeitura.

Desculpa Fúria, mas esse mérito é nosso e não seu. Se quiser, desenvolva outro programa e faça um sorteio com méritos da sua gestão.

E.R. - E quanto ao sorteio e ao aplicativo utilizado para sua realização.

MARIA SIMÕES: É verdade que na hora de sortear os pequenos grupos de candidatos o software repetiu alguns nomes algumas vezes, e isso por si só indica que não houve fraude. Se fosse pra escolher ganhador porque o sistema iria repetir nomes já sorteados?

Em qualquer caso, foram convidadas várias autoridades da cidade para acompanhar o sorteio que foi realizado ao vivo, com mais de 20 MIL expectadores, o que mostra que o sorteio pretendia dar transparência e lisura a seleção de pessoas para o programa habitacional.

Os computadores estão disponíveis para aferição de qualquer um, e não houve nada de errado com o sorteio.

É justamente porque não teve nada de errado com o sorteio que o prefeito de forma irresponsável está tentando cancelar o sorteio com base em portaria do Ministério do Desenvolvimento Regional que não é aplicável a esse caso.

E.R. -  Como a senhora acha que vai terminar essa história.

MARIA SIMÕES: Em confusão política e orçamentária, assim como o mandato desse rapaz.

Se ele cancelar mesmo o sorteio as pessoas vão a justiça responsabilizar o município e vão ganhar.

E.R. -  Alguma mensagem ao povo de Cacoal pra finalizar?

MARIA SIMÕES: Sim. Não confie em que está toda hora nas redes sociais arranjando encrenca. Gestor que trabalha não tem tempo pra ficar fazendo lives.