Governo discute plano de ação para reforçar suporte às gestantes e puérperas com covid-19, em Vilhena

Governo discute plano de ação para reforçar suporte às gestantes e puérperas com covid-19, em Vilhena

Porto Velho, RO - Com o aumento no número de casos de gestantes contaminadas com a covid-19, o Governo de Rondônia, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) vem seguindo as orientações do Ministério da Saúde que incluiu no Plano Nacional de Operacionalização (PNO) da vacinação contra o coronavírus, gestantes e lactantes que possuem algum tipo de comorbidade que agrave a doença. Técnicos da Sesau participaram de uma reunião com coordenadores de Atenção Básica do município de Vilhena, para o alinhamento do plano de ação no fluxo de atendimento na semana passada.

Mais de 600 gestantes e puérperas já foram imunizadas com a vacina em Vilhena

Em Vilhena, mais de 600 gestantes já foram imunizadas com a primeira dose. Neste ano, até o mês de abril, foram realizados 699 partos no Hospital Regional de Vilhena, sendo 497 de gestantes residentes e 202 de pacientes das cidades vizinhas. Desse total, 37 gestantes e 5 puérperas contraíram a covid-19, 38 tiveram a saúde restabelecida e 4 vieram a óbito, sendo uma gestante e três puérperas.

As reuniões técnicas são primordiais para que os profissionais possam ofertar a orientação e o tratamento adequado em caso de ocorrências com gestantes contaminadas. O alerta sobre os cuidados vem sendo redobrados em todo o Estado. Os profissionais reforçam que independente da existência de comorbidades, todas as precauções devem ser tomadas, uma vez que as novas cepas são mais agressivas.

“Estamos em um momento delicado da pandemia e não podemos diminuir os esforços. Zelar pela saúde de todos é o motivo de estarmos sempre buscando esse alinhamento. É preciso trabalhar com unidade e fornecer atendimento digno e de qualidade aos usuários do SUS, assim como também diminuir o risco de exposição das gestantes e puérperas”, disse a secretária municipal de Saúde, Siclinda Raasch.

A orientação é que além das recomendações necessárias para evitar o contágio da doença, as grávidas devem fazer o acompanhamento do pré-natal e aquelas que apresentarem sintomas no período de dois a três dias devem procurar um hospital para a realização de exames.